Beijo de Judas

1. a) “Aquele a quem eu der um ósculo, prendei-o!”. O ódio e a paixão nada esquecem. Judas lembrou-se que Jesus tinha escapado aos que o quiseram apedrejar e aos que o queriam coroar. Quanto era para desejar que com igual zelo fizesses o bem!

b) “Deus te salve, Mestre”, e beijou-o. O cúmulo da hipocrisia! Judas dá o “salve” a quem quer perder, abusando, pois, do sinal de amizade. Quantos não se assemelham a ele! Quantos até procedem de modo pior, recebendo Jesus em coração indigno! Não lhe darás alguma satisfação por tantos ultrajes?

2. a) “Amigo, a que vieste?”. Jesus chama ao traidor ainda de amigo , dando-lhe a entender que perdoaria se se arrependesse. Não o trata de ingrato, como merecia. Não o fez assim também contigo? E tu?

b) “Judas, com um beijo entregas o Filho do homem?”. É o último convite ao pecador para abandonar seu intento. Debalde! Judas não ouve o seu melhor amigo. A paixão o obceca… Jesus te admoesta nas horas da tentação pela voz da consciência. Já foste um Judas? Quererás sê-lo no futuro?

Breves Meditações Para Todos os Dias do Ano, Frei Pedro Sinzig, OFM, Quarta Edição, 1921.

Este texto foi útil para você? Compartilhe!

Deixe um comentário