Cura de um cego fora de Betsaida

1. a) “E vieram a Betsaida, e lhe trouxeram um cego, rogando-lhe que o tocasse. E, tomando o cego pela mão, o levou fora da aldeia“. Betsaida não mais merecia ser o cenário de um novo milagre, porque, apesar de numerosos milagres, não creu em Jesus. Daí a terrível palavra do Salvador: “Ai de ti, Betsaida! Que, se em Tiro e Sidônia se tivessem feito as maravilhas que se fizeram em ti, muito tempo há que elas teriam feito penitência em cilício e em cinza”. Qual será tua responsabilidade, visto seres testemunha de inúmeros milagres?

b) Ainda assim, Jesus não se negou a fazer o bem e a curar, embora o fizesse fora da aldeia. Quanta bondade!

2. a) “Cuspiu-lhe nos olhos”. Querendo sarar espiritualmente, deves sujeitar-te a todos os meios prescritos, por mais humilhantes que sejam e por mais que te contrariem.

b) Jesus curou este cego aos poucos, fazendo-o a princípio divisar só os vultos e depois claramente os objetos e as pessoas, fortificando nele a fé. Deus observa muitas vezes a mesma ordem, para fins idênticos, na cura das enfermidades da alma. Continua, pois, a rezar por ti e por todos os teus, cuja salvação eterna está em perigo.

Breves Meditações Para Todos os Dias do Ano, Frei Pedro Sinzig, OFM, Quarta Edição, 1921.

Este texto foi útil para você? Compartilhe!

Deixe um comentário