Morte do Filho de Deus

1. “Oh! vós que passais pelo caminho, atendei e vede se há dor semelhante à minha dor”. Contempla teu Jesus pregado na cruz e agonizante. “Transpassaram minhas mãos e meus pés; contaram todos os meus ossos”. Seu corpo, da planta dos pés até à cabeça, é uma só chaga; a cabeça inclinada é é perfurada com espinhos.

Sua alma sofre o maior desamparo espiritual. Cercam-no inimigos que o insultam e lhe amarguram até os últimos instantes da vida. Poderás jamais pagar a Jesus o que Ele por ti sofreu?

2. a) “E inclinando a cabeça, rendeu o espírito“. Mistério insondável: Deus morre! Morre para salvar suas criaturas! Quanto valor deve ter a alma, pela qual tal preço foi pago! E como Deus deve amar-te, já que tanto faz por ti! Não estás só. Há alguém que faz tudo por ti!

b) “Rasgou-se o véu do templo em duas partes, de alto a baixo; e tremeu a terra, e partiram-se as pedras. E os sepulcros se abriram“. A natureza toda confirmou que, “verdadeiramente, este homem era Filho de Deus“.

Serás o único insensível em toda a natureza?

Breves Meditações Para Todos os Dias do Ano, Frei Pedro Sinzig, OFM, Quarta Edição, 1921.

Este texto foi útil para você? Compartilhe!

Deixe um comentário