O viajante e São José

Foi a 18 de março de 1888. Viajava um sacerdote no trem de Mogúncia a Colônia, quando, ao passar por Bonn, notou que seu vizinho se persignou, juntou as mãos e pôs a rezar.

– Amanhã é a festa de S. José!… talvez que seja o seu patrono, disse o padre.

– Não, sr., mas minha esposa chama-se Josefina… e gostaria de estar amanhã em sua companhia. Tenho, porém, outro motivo de dar graças; e, se interessar ao senhor, contar-lhe-ei a minha história, pois um sacerdote a entenderá.

– Certamente.

– Quando menino, recebi de minha boa mãe uma educação piedosa. Infelizmente, bem cedo morreu minha mãe; meu pai não se ocupou de minha educação religiosa e logo abandonei todas as práticas de piedade. Encontrei, mais tarde, uma jovem excelente e, desejando fazê-la minha esposa, fingi sentimentos religiosos que não possuía. Uma vez casados, quase morreu de pesar, quando lhe abri meu coração e me pus a zombar de suas devoções. Há cinco anos, na sua festa onomástica, fiz-lhe um rico presente, mas ela, quase receosa, me disse:

– Há outro presente que me faria mais feliz…

– Qual?

– A tua alma, querido, respondeu entre soluços.

– Pede-me o que quiseres: eu o farei.

– Vem comigo amanhã, dia de S. José, à Igreja de N. N. Haverá sermão e bênção.

– Se fôr só isso, podes enxugar tuas lágrimas, que te acompanharei.

A igreja estava repleta; o pregador, muito moço, deixou-me frio e indiferente; contudo disse uma coisa que me impressionou: ” Jamais invocou alguém a proteção de S. José sem que sentisse o seu auxílio. Tende firme confiança de que correrá em socorro de todo aquele que o invocar na hora do perigo, ainda que seja pecador ou mesmo incrédulo”.

Ao sairmos da igreja, disse-me minha esposa:

– Meu amigo, muitas vezes estarás em perigo em tuas viagens; promete-me que, chegando o caso, dirás esta breve oração: ” S. José, rogai a vosso divino Filho por mim”?

– Assim o farei; não é nada difícil.

Pouco depois, viajava por este mesmo lugar em que nos encontramos; éramos sete no compartimento. de repente, um apito de alarma e já um formidável choque nos atirava pelos ares. Não tive tempo de dizer mais que: “S. José, socorro!” Tudo foi coisa de um instante. Ao voltar a mim, vi meus companheiros horrívelmente despedaçados e mortos. Eu sofrera apenas leves contusões. Desde aquele dia retomei as práticas religiosas e repito, sempre com grande confiança: ” S. José, socorrei-me!”

Tesouro de Exemplos – Pe. Francisco Alves

Fonte: Dominus Est

Este texto foi útil para você? Compartilhe!

Deixe um comentário