São João da Cruz, um dos maiores místicos da Igreja

A vida de São João da Cruz é magnífica e desconcertante. Nasceu em Fontiveros, província de Ávila (Espanha) pelo ano de 1542. O seu nome de baptismo era João de Yepes e, juntamente com a também doutora da Igreja Santa Teresa d’Ávila, reformou a Ordem Carmelita.

João era 27 anos mais novo do que a sua amiga Teresa, que o chamava de “pequeno Séneca”, por causa da sua baixa estatura. Amavelmente, chamava-o de “meio homem”, mas não hesitava em considerá-lo pai da sua alma. Dizia que não era possível conversar com ele sobre Deus sem vê-lo em êxtase.

São João da Cruz foi um grande mestre da vida espiritual. O resumo da sua vida monástica encontra-se nestas palavras: “Não faças coisa alguma, nem digas palavra alguma, que Cristo não faria ou não diria se se encontrasse nas mesmas circunstâncias e tivesse a mesma saúde e idade.” “Nada peças a não ser a cruz, e precisamente sem consolação, pois isso é perfeito.” “Renuncia aos teus desejos e encontrará o que o teu coração deseja.” Aos 21 anos de idade ingressou na Ordem dos Carmelitas.

Foi atacado por uma grande desilusão pelo relaxamento da vida monástica em que viviam os conventos carmelitas. Em dado momento encontrou-se com Santa Teresa, a reformadora do Carmelo feminino, passando a fazer o mesmo junto ao Carmelo masculino. Nessa época era um jovem frade de 26 anos, extremamente sério, físicamente franzino.

Logo em seguida fundou em Durvelo o primeiro convento dos carmelitas descalços. Foi então que mudou o seu nome para João da Cruz. Esse regresso à mística religiosidade do deserto custou ao santo maus tratos físicos e difamações, chegando a ser preso em 1577 durante oito meses, no cárcere de Toledo. Foi exactamente aí que floresceu a sua grande poesia espiritual. Escreveu “A noite escura da alma”, “A subida do monte Carmelo”, “Cântico espiritual”, e “Chama de amor viva”.

São João de Cruz foi um dos maiores místicos da História da Igreja, por isso é normal que os seus pensamentos nos toquem a alma e o coração:

“O amor consiste em despojar-se e desapegar-se, por Deus, de tudo o que não é Ele.”

“Para possuir Deus plenamente, é preciso nada ter; porque se o coração pertence a Ele, não pode voltar-se para outro.”

“Para buscar a Deus, requer-se um coração despojado e forte, livre de tudo o que não é puramente Deus.”

“Que felicidade o homem poder libertar-se da sensualidade! Isto não pode ser bem compreendido, a meu ver, senão por quem o experimentou. Só então verá claramente como era miserável a escravidão em que se estava.”

“Adquire-se a sabedoria através do amor, do silêncio e da mortificação; grande sabedoria é saber calar e não inserir-se em ditos ou fatos e na vida alheia.”

“O amor não consiste em sentir grandes coisas, mas em despojar-se e sofrer pelo Amado.”

“Quem não busca a cruz de Cristo não busca a glória de Cristo.”

“Quando tiveres algum aborrecimento e desgosto, lembra-te de Cristo crucificado e cala-te.”

“Quando tiveres teus desejos apagados, tuas afeições na aridez e angústias, e tuas faculdades incapazes de qualquer exercício interior, não sofras por isso; considera-te feliz por estares assim. É Deus que te vai livrando de ti mesmo, e tirando-te das mãos todas as coisas que possuis.”

“O que busca satisfação em alguma coisa não está livre para que Deus o plenifique de seu inefável sabor.”

“Ainda que estejas no sofrimento, não queiras fazer a tua vontade, pois terás assim o dobro de sofrimento.”

“A alma que verdadeiramente ama a Deus não deixa de fazer o que pode para achar o Filho de Deus, seu Amado. Mesmo depois de haver empregado todos os esforços, não se contenta e julga não ter feito nada.”

“A alma que busca a Deus e permanece em seus desejos e comodismo, busca-o de noite, e, portanto, não o encontrará. Mas quem o busca através das obras e exercícios da virtude, deixando de lado seus gostos e prazeres, certamente o encontrará, pois o busca de dia.”

“A mosca que pousa no mel não pode voar; a alma que fica presa ao sabor do prazer sente-se impedida em sua liberdade e contemplação.”

“Por causa de prazeres passageiros, sofrem-se grandes tormentos eternos.”

“Quem se queixa ou murmura não é cristão perfeito, nem mesmo bom cristão.”

“Quem souber morrer a tudo terá vida em tudo.”

in senzapagare

Este texto foi útil para você? Compartilhe!

Deixe um comentário