A Vítima Divina

1. a) “Se o deixarmos… virão os romanos”. Os inimigos de Jesus, reunidos contra Ele em conselho, assim falam, não por temor, mas por hipocrisia. Bem sabem que Jesus não aspira nenhuma poder temporal. A inveja tem sempre o que censurar, ora exagerando o que há, ora inventando onde nada encontra. És, de todo, livre de tão indigno e repugnante vício?

b) Os judeus mais tarde sofreram o justo castigo que com sua iniquidade procuravam afastar de si: vieram os romanos a destruir a cidade e exterminar seu povo. O mesmo Deus ainda hoje vive e pagará o bem e o mal, segundo cada um merecer.

2. “Convém – diz o sumo pontífice – que morra um homem pelo povo e que não pereça toda a nação”. Quem deverá morrer? Um inocente, um profeta, cujos milagres os próprios inimigos confessam? Sim, é melhor que Ele morra, mas ai do juiz injusto a quem toca a inteira responsabilidade! É melhor para a humanidade, porque a Providência divina sabe servir-se dos maus para conseguir o bem. Confia nela sempre. Onde há maior aflição, lá mais perto está o auxílio de Deus. Ainda que os homens te persigam: Deus sabe escrever direito por linhas tortas.

Breves Meditações Para Todos os Dias do Ano, Frei Pedro Sinzig, OFM, Quarta Edição, 1921.

Este texto foi útil para você? Compartilhe!

Deixe um comentário