Reflexão e Conversão

Para a salvação é necessário imitar o Coração de Jesus

1. Jesus. Filho, uma só coisa é, antes de tudo, necessária: salvares a tua alma. Se a perderes, tudo estará perdido; se a salvares, tudo estará salvo.

Não alcançarás, contudo, a eterna salvação da tua alma, se não imitares o meu Coração. Pois os que Deus conheceu na sua presciência, também predestinou a se tornarem conformes à imagem do seu Filho (Rm 8, 29).

Qual é, porém, esta imagem do Filho de Deus, à qual todos os eleitos se devem conformar, senão o meu Coração? A todos não é dado imitar minhas ações externas, nem depende do homem fazer os milagres por mim operados. Outrossim, em consequência dos diversos estados da vida humana, não podem todos seguir o meu modo de viver exterior. Entretanto, todos, grandes e pequenos, doutos e ignorantes, em qualquer estado, podem e devem imitar os sentimentos íntimos do meu Coração. Se, portanto, desejas a eterna salvação, conforma-te ao meu Coração e aprende a revestir-te dos meus sentimentos.

2. Ainda que distribuísses aos pobres todos os teus bens, entregasses o corpo ás maiores penitências, conhecesses todos os mistérios e operasses estupendos prodígios, se não tiveras em teu coração semelhança com o meu, nada serias e todas estas coisas de nada te valeriam eternamente.

Pela semelhança com o meu Coração, hás de ser julgado e receber tua sorte eterna.

Muitos, na hora do juízo, dir-me-ão: “Senhor, não foi em vosso nome que profetizamos, expulsamos demônios e fizemos inúmeros milagres?” Eu, porém, lhes responderei: “Não vos conheço. Acaso não vedes as chagas que me infligistes? Não reconheceis o lado por vós transpassado, que por vosso amor permaneceu aberto, sem que consentísseis em entrar nele?

De nada servirá o que fizerdes, se não for feito segundo o meu Coração”.

3. Não é a aparência exterior de piedade, porém o coração devoto que torna o homem bom e caro diante de mim.

Tua salvação estará segura na medida em que conformares o teu coração ao meu.

Faze por tua salvação quanto te for possível. Não pode haver solicitude excessiva, quando se acha em perigo a eternidade.

No momento da morte descobrirás estar perdido tudo o que houveres feito sem referi-lo a mim e à salvação. Se tão grande é a importância da salvação eterna, lembra-te que o valor da imitação do meu Coração é proporcionado ao da salvação da tua alma.

4. Discípulo. Ó salvação eterna da alma, única coisa que me é sumamente necessária! por que estou neste mundo, senão para salvar a minha alma? E por que fui resgatado, provido de tantos socorros, cumulado de tantos benefícios divinos, senão para mais fácil e suavemente salvar a minha alma?

Mas, ai de mim! Ainda não comecei seriamente a obra, pra a qual me acho neste mundo. Depois de remido, novamente tornei-me vil escravo e pereci, abusando dos meios e benefícios que tão facilmente me poderiam fazer feliz e salvo.

Ó Senhor Deus! Com toda a justiça poderíeis ter permitido que me perdesse eternamente e sofresse perpétuo infortúnio, bem merecido por minha malícia e pelo abuso de Vossos dons. Mas, já que a infinita bondade do Vosso Coração assim não permitiu, mas, ao contrário, com novo e maior benefício, incitou-me a apreciar e amar a eterna salvação da minha alma, não serei mais ingrato nem me exporei à perdição eterna. Deliberadamente prometo cooperar com as suavíssimas inspirações de Vosso Coração, conducentes à bem-aventurança e salvação da minha alma.

A Jesus os corações ou Imitação do Sagrado Coração de Jesus – Exortações para purificar o coração, Cap IV, Pe Pedro Arnoudt S. J., 1941

Deixe uma resposta