Ventura infinita: amor a Deus!

1. “Como meu Pai me amou, assim vos amei eu. Permanecei no meu amor”. Quem jamais apreciará condignamente a permissão de elevar seus olhos ao próprio Deus, de amá-lo, e, o que é mais, de ser mesmo obrigado a amá-lo? Se Deus no-lo não dissesse, como nos atrever-nos-íamos a crê-lo? O Criador pede amor à sua criatura! Como compreender este mistério! Já lho agradeceste devidamente? Aproveitas essa licença, que de ti deve fazer a mais feliz das criaturas?Poder amar a Deus, e ser por Ele amado!…

2. “Se me amais, observai meus mandamentos”. Eis a prova de verdadeiro amor, que te permitirá saber se amas a Deus ou não. Não confies em sentimentos nem desanimes, quando sentires o coração frio. Amas a Deus, se lhe obedeces em tudo. Sua lei é um jugo doce e uma carga leve. Observando-a, Deus Pai te amará e em tua alma feliz a Santíssima Trindade virá habitar. Poderás desejar mais? Unido na terra a Deus, gozarás sua posse completa na eternidade. Deus será teu, e tu dEle.

Breves Meditações Para Todos os Dias do Ano, Frei Pedro Sinzig, OFM, Quarta Edição, 1921.

Este texto foi útil para você? Compartilhe!

Deixe um comentário